GastronomiaNews

Conheça o Engenho São Paulo, maior produtor de cachaça de alambique do Brasil

Localizada há 28 km de João Pessoa, na Paraíba, propriedade tem 112 anos de existência e já se encontra na quarta geração familiar

Engenho São Paulo / divulgação

Bebida originária, típica e consagrada como patrimônio cultural do Brasil, a cachaça, ao longo dos anos, foi ganhando variações em seus modos de produção, armazenamento e consumo. Na Paraíba, é a produção artesanal feita em alambiques de cobre – equipamento de destilação que produz a cachaça e a deixa refinada e rica em sabores e aromas – é que ganha destaque. Cerca de 90% de seus engenhos produzem esse tipo de cachaça. Porém, o Engenho São Paulo, localizado em Cruz do Espírito Santo, há 28 km de João Pessoa, tem uma capacidade instalada de produção anual de 6 milhões de litros da bebida, e de estoque de até 5 milhões de litros, o que o torna o maior produtor de cachaça de alambique do Brasil.

Com aproximadamente 620 hectares, o Engenho São Paulo foi fundado em 1909 e suas atividades, na época, eram voltadas principalmente para a produção de açúcar mascavo, mel e rapadura, às várzeas do Rio Paraíba. Na região, predomina o solo tipo massapê, ideal para o plantio de cana de açúcar, cujo cultivo é uma tradição há quase 500 anos. A partir do final da década de 1930, com a queda no consumo destes produtos, o engenho direcionou sua produção para a cachaça de alambique e desde então foi crescendo e conquistando mercado. Na década de 1940, começou a engarrafar suas primeiras cachaças de alambique, criando as marcas São Paulo e Cigana. A tradição atravessou gerações e atualmente o Engenho São Paulo agrega filhos e netos, que mantém a originalidade e o sabor característicos da bebida em safras anuais, de acordo com os períodos de moagem, fermentação, destilação e armazenamento até chegar ao engarrafamento.

O nome São Paulo – Um fato interessante sobre a origem do nome do engenho é que antigamente, todas as terras da zona rural de Cruz do Espírito Santo eram chamadas com nomes de santos católicos. O santo Paulo foi escolhido para batizar a propriedade da família, que se mantém até hoje pelos herdeiros, pela tradição e pela religiosidade. Ao lado do engenho São Paulo, por exemplo, estão localizadas as usinas Santa Helena e a São João.

Cachaça São Paulo / divulgação

Da branquinha às misturinhas – A Cachaça Cigana, uma de suas marcas, foi a primeira a ser exportada e registrada nos Estados Unidos, na década de 1980. Em meados de 1990, os sócios do engenho passaram a estudar, pesquisar, viajar e participar de feiras buscando maneiras de evoluir e aumentar a produção. Introduziram o envelhecimento em barris de carvalho e criaram a Cachaça Cigana Carvalho. Hoje, além da Cigana, o Engenho São Paulo conta com outras marcas – Cachaça São Paulo, que em sua linha de produtos possui quatros tipos: Original, Cristal, Amburana e Carvalho e a marca Caipira, com Cachaça Caipira e Caipira Amburana. O Engenho São Paulo é detentor também da bebida mista FlyOne. Cada marca possui sua singularidade e público específico. A Cachaça Cigana é a linha premium do seu portfólio, e a São Paulo é sempre lembrada como a marca tradicional do Engenho. A Cachaça Caipira tem um excelente custo-benefício para quem quer conferir uma bebida de ótima qualidade e com preço acessível. Já quem prefere um sabor mais suave e de grau alcoólico menor, a FlyOne é uma ótima escolha, com diversos sabores como frutas vermelhas, tangerina com pimenta e limão com gengibre. “Unimos tradição com tecnologia para proporcionar aos clientes bebidas da mais alta qualidade”, conta Múcio Fernandes, diretor do engenho.

Múcio conta que, além de seguir as novas tendências de mercado, tornando os produtos mais atrativos, é necessário entender que o público e os hábitos de consumo da cachaça mudaram bastante ao longo dos tempos. “Há alguns anos, a cachaça tinha acidez muito alta, por conta da falta de controle de qualidade na fermentação. Era tomada em um único gole. Como se tratava de uma bebida muito barata, era consumida apenas pelos públicos C, D e E e sofria muita discriminação dentro das outras classes. Com a evolução da qualidade no seu processo produtivo e por consequência, com a acidez controlada, as cachaças se tornaram muito saborosas. Com isso, os públicos A e B passaram a apreciar a bebida e a consumi-la também. Percebemos um crescimento, inclusive, entre as mulheres”, comenta.

Qualidade no processo e nos produtos – A cachaça possui grande importância econômica no Brasil, pois é muito apreciada e corresponde ao terceiro destilado mais consumido do mundo. Diante dessa demanda, torna-se um produto competitivo e marcado pela qualidade e segurança alimentar. No Engenho São Paulo, para elaborar a produção com total cuidado, o local mantém um laboratório de microbiologia próprio. Luciana Fernandes, engenheira responsável pelo laboratório, conta que, além da qualidade dos produtos, também desenvolve pesquisas de novos produtos e o controle de todo o processo de fabricação . “Sempre investimos em pesquisas para melhorar continuamente nossa produção. Um exemplo disso é a levedura usada na fermentação. Ela foi selecionada por uma pesquisa onde estudamos qual seria a cepa de levedura ideal para nosso processo, para assim mantermos o nosso padrão de qualidade no decorrer das safras. Por sermos uma cachaça de alambique, somos classificados como processo artesanal, mas isso não quer dizer que não tenhamos todo o controle de qualidade e tecnologia aplicada ao processo. Nosso laboratório controla rigorosamente todas as etapas de produção”, explica Luciana.

Projeto social – Em 2012, o Engenho São Paulo fundou a escolinha de futebol “São Paulo Crystal”, que treina crianças de 6 até 18 anos. No início, acolhia filhos de trabalhadores e moradores do engenho, e hoje, inclui também crianças da cidade e da zona rural de Cruz do Espírito Santo, o que totaliza uma média de 200 alunos.

Além de incentivar a prática do esporte, ensinando futebol, o projeto funciona em parceria com a prefeitura e acompanha o rendimento escolar dos alunos, avaliando desde notas até comportamento e frequência escolar. Para Múcio Fernandes, a escolinha de futebol é um investimento para o futuro. “Além de proporcionar um ambiente e uma vida saudável, o esporte desenvolve valores como comprometimento, foco e disciplina. Investimos nesse projeto porque se não formarmos bons atletas, pelo menos estaremos formando bons cidadãos”, comenta.

A escolinha está em fase de expansão e futuramente terá filiais em João Pessoa, Guarabira, Campina Grande, Sapé, Patos e na zona urbana de Cruz do Espírito Santo.

A São Paulo em campo – Com o sucesso da escolinha, que passou a revelar diversos talentos, em 2017 foi fundado o time profissional de futebol, o “São Paulo Crystal” – com direito a alojamento, centro de treinamento, mascote e torcida. Desde a fundação, o São Paulo Crystal já reúne diversas conquistas. Foi vice-campeão no estadual sub 19 em 2017. Em 2019, foi campeão estadual do sub 15 e vice-campeão no sub 17 além de ser campeão da Copa Paraíba no sub 17. Em 2020, a equipe fez bonito e subiu para a primeira divisão do campeonato paraibano e finalizou sua participação no estadual figurando entre os quatro finalistas da competição.

Para conhecer mais sobre a história e os produtos, o site é engenhosaopaulo.com.br/

Ana Celia Macedo
Bacharela em Comunicação Social, pela Uninassau João Pessoa (PB). É Jornalista especializada em Turismo e membro da Associação Brasileira de Jornalistas e Escritores de Turismo seccional Paraíba (Abrajet PB). Durante sete anos foi editora do site de Comunicação para o Turismo, O Concierge, por onde também lançou a revista com o mesmo nome e idealizou e produziu o Fórum Estratégias Inteligentes para um Turismo Ágil (Eita). Adora contar histórias, viajar e escrever sobre suas experiências de viagens dentro e fora do Brasil e por causa disso criou o blog Minuto Turismo, onde também escreve sobre economia criativa, produção associada ao Turismo e sua cadeia produtiva. Simultaneamente, Ana Célia atua como assessora de imprensa e de comunicação, bem como na produção intelectual, escrevendo textos para livros e revistas, blogs, sites, e-books, podcasts, spots, palestras, copy, cursos on-line, projetos e relatórios. Comprometida com a transformação social e espiritual do ser humano, ano passado, se tornou graduanda em Teologia na Faculdade Internacional Cidade Viva João Pessoa (PB). Contato: ana@minutoturismo.com.br

Deixe um comentário